MeU aLéM ...

Minha foto
Santa Catarina, SC, Brazil
Baiana e Escorpiana nata, 32 anos. Essa sou Eu, simples e transparente... Basta conhecer... Não estou aqui para induzí-los, quero que me vejam com olhar sincero, pq quero ser Eu mesma... Isso basta! Para chegar onde estou, Eu subi alto, caminhei o bastante. Fui a lugares impossíveis, mas não fui hoje, fui ontem. Não preciso de roupas belas. Não uso máscaras para fingir o que sou para agradar. Eu encanto pela minha essência, sorriso e olhar... "Faria tudo de novo".

domingo, 12 de dezembro de 2010

(Homo. fobia = medo.)







Equação da Homofobia... Como começar a falar de algo extremamente crítico?
Algo que a sociedade olha com olhos preconceituosos ainda. Como assumir o que realmente somos? Como sair do armário em pleno século XXI? Sendo que a violência contra os Homossexuais está nas ruas e ninguém faz nada!
Por isso o MEDO habita no ser humano. Fazendo passar por um estado psicologicamente emocional e duvidoso.
São perguntas que não querem calar e aqui podem encontrar as respostas... As que um dia eu procurei!


Primeiramente falo como lidar com as próprias diferenças: a negação, a defesa, minimização, aceitação, adaptação, integração...

A negação por não querer aceitar o que somos e chegar a um estado completamente critico que vivenciamos. Por não aceitar e brigar com a gente mesmo querendo mostrar ser o que não é. Pra felicidade de uns e nossa própria infelicidade.



A defesa é mostrar nosso lado pessoal e cultural que existe. Impedindo as criticas com a nossa própria armadura.


A minimização nessa fase é acreditar nas próprias diferenças e que elas podem ajudar a minimizar entre os grupos sociais e culturais. Evitando sermos ignorados e lidando com a verdadeira aceitação da diferença.

A aceitação é o gosto de reconhecer e mostrar o que somos de verdade. Relativamente tolerantes as diferenças pessoais, culturais e sociais. Sentindo confortável em saber que não há nenhuma resposta certa e saber que podem existir melhores respostas para qualquer contexto.

A adaptação é capaz de reconhecer o nosso quadro de referencia e podemos sentir empatia. Somos capazes de fazer escolhas diferentes baseando nas nossas perspectivas. Onde cada um pode mudar e ter sua própria visão a respeito.

A integração onde às vezes pensamos que não pertencemos a nenhum lugar. Sentimento comum nessa fase, conscientizando que as diferenças existem e somos capazes de identificar com grupos e sentir perturbados. Outros adaptam rapidamente a essa fase estabelecendo seus próprios sistemas de valores pessoais servindo de pontes para outros grupos...

Somos escandalizados por ser o que somos, de gostar de pessoas do mesmo sexo. De ter opiniões bastante elevadas, acho que isso incomoda a sociedade.

Porque incomodar-se tanto com o LIVRE-ARBITRIO de cada um? Eis a questão... 
Deus não fala em punir pessoas assim, afinal  isso não é doença. São sentimentos iguais aos de um Homem e uma Mulher. Sentimentos puros, que a sociedade descrimina por si, sem saber que o pecado maior está em persistir.

Enfim fico por aqui, pois esse assunto é muito extenso. E não caberia aqui em uma noite. Isso é discursivo... 

2 comentários:

  1. Oi, Júlia!
    Vi seu comentário no blog "Anti Nova Ordem Mundial" no post que abordava o vídeo do MEC para combater a homofobia.
    Achei seu comentário fantástico, muito bom mesmo! Também postei lá um pouco antes de você, e temos argumentos bem parecidos e uma opinião aparentemente bem semelhante.
    Gostei tanto do seu comentário que vim dar uma checada no seu blog e também gostei bastante, em especial, desse post em que comento.
    Parabéns por tudo, você ganhou um novo leitor!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada,
    Esse assunto é bastante critico... Vai além!
    Regras, regras, regras. Estou cansadas delas! Quero quebrar todas, todos os limites, todos os obstáculos. Passar por cima, mesmo ñ sendo EU.

    Um bejuh da @eterna_mente =)

    ResponderExcluir

dO.eU.aLéM